22 de julho de 2009



Mais uma semana de férias que terminou ...


Parte delas foram aqui




Foram calminhas , tive azar com o tempo , muito vento , mas deu para descansar um pouco .

O vento foi o companheiro destas férias , teimoso foi ficando sem ser convidado , nem deixou apreciar a belas paisagens e estar sossegada numa esplanada a beber algo .

Nem acredito que não tomei um banho de mar a água estava tão gelada que não consegui entrar , que raiva !!!

Pelo menos consegui dormir um dia 10 horas , algo que nao fazia algum tempo ...

Conclusão descansei era o que estava a precisar .

Ultimo dia de férias foi por aqui ...


... foi o melhor dia de férias ...uma agradavel surpresa !!!

E acabaram as férias de Verão agora só no Outono . Já estou ansiosa que cheguem ...

13 de julho de 2009


FÉRIAS , FÉRIAS, FÉRIAS !!!

Chegaram as tão merecidas férias !!!!!

Quero dormir , descansar a minha cabeça e mais qualquer coisa ...
A foto é uma ilusão , gostaria sim de ir passar férias numa praia assim ,mas não vai ser desta :(
Quem sabe nas proximas férias consiga ir ...

12 de julho de 2009



Mais um restaurante que tive o previlégio de conhecer " Marginalissímo". Aconselho vivamente especialidade Fondue , ambiente muito acolhedor com vista para o mar, come-se até não aguentar mais, carne de boa qualidade com acompanhentos excelentes e tem uma bela sangria, que se bebe que nem água




E para acabar uns maravilhosos Profiteroles, que eu não gosto nada .... ;)



Recomendo este restaurante para um jantar em grupo bem como para um jantar a dois , unico senão é o estacionamento ...mas nada que não se resolva , vale a pena desesperar com o estacionamento.

Foi um jantar muito agradavel , com o pessoal de trabalho , estes jantares são muito importantes para o relacionamento entre colegas , ficamos a conhecer-nos melhor e algumas mascaras caem. Vou ter saudades vossas , estou abandonar-vos , fico grata por vos ter conhecido e pelo o vosso carinho .

1 de julho de 2009


A Descrição está demais!!!! Não resisti. Ora leiam...


Estava eu a ver TV numa tarde de domingo, naquele horário em que não se pode inventar nada para fazer, pois no outro dia é segunda-feira, quando a minha esposa se deitou ao meu lado e começou a brincar com minhas 'partes'.
Após alguns minutos ela teve a seguinte ideia: - Por que é que não me deixas depilar os teus 'ovinhos', pois assim eu poderia fazer 'outras coisas' com eles.

Aquela frase foi igual a um sino na minha cabeça. Por alguns segundos imaginei o que seriam 'outras coisas'. Respondi que não, que doeria coisa e tal, mas ela veio com argumentos sobre as novas técnicas de depilação e eu a imaginar as 'outras coisas', não tive argumentos para negar e concordei.
Ela pediu-me que me pusesse nu enquanto ia buscar os equipamentos necessários para tal feito. Fiquei a ver TV, porém a minha imaginação vagueava pelas novas sensações que sentiria e só despertei quando ouvi o beep do microondas.

Ela voltou ao quarto com um pote de cera, uma espátula e alguns pedaços de plástico. Achei estranhos aqueles equipamentos, mas ela estava com um ar de 'dona da situação' que deixaria qualquer médico urologista sentir-se um principiante.

Fiquei tranquilo e autorizei o restante processo. Pediu-me para que eu ficasse numa posição de quase-frango-assado e libertasse o aceso à zona do tomatal.

Pegou nos meus ovinhos como quem pega em duas bolinhas de porcelana e começou a espalhar a cera morna. Achei aquela sensação maravilhosa! O Sr. 'tolas' já estava todo 'pimpão' como quem diz: 'Sou o próximo da fila!'

Pelo início, imaginei quais seriam as 'outras coisas' que aí viriam. Após estarem completamente besuntados de cera, ela embrulhou-os no plástico com tanto cuidado que eu achei que ia levá-los de viagem. Tentei imaginar onde é que ela teria aprendido essa técnica de prazer: Na Tailândia, na China ou pela Internet?

Porém, alguns segundos depois ela esticou o 'saquinho' para um lado e deu um puxão repentino. Todas as novas sensações foram trocadas por um sonoro ' A PUUUUTA QUEEEE TE PARIUUUUUUU', quase gritado letra por letra.

Olhei para o plástico para ver se a pele do meu tin-tin não tinha vindo agarrada. Ela disse-me que ainda restavam alguns pelinhos, e que precisava repetir o processo. Respondi prontamente: Se depender de mim eles vão ficar aí para a eternidade!

Segurei o Sr. Esquerdo e o Sr. Direito nas minhas respectivas mãos, como quem segura os últimos ovos da mais bela ave amazónica em extinção, e fui para a banheira. Sentia o coração bater nas 'pendurezas'.

Abri o chuveiro e foi a primeira vez na minha vida que molhei a salada antes de molhar a cabeça. Passei alguns minutos deixando a água gelada escorrer pelo meu corpo. Saí do banho, mas nestes momentos de dor qualquer homem se torna num bebezinho: faz meErda atrás de meErda. Peguei no meu gel pós barba com camomila 'que acalma a pele', besuntei as mãos e passei nos 'tomates'.

Foi como se tivesse passado molho de piri-piri. Sentei-me no bidé na posição de 'lavagem checa' e deixei a água acalmar os ditos. Peguei na toalha de rosto e abanei os 'ditos' como quem abana um pugilista após o 10° round.

Olhei para meu 'júnior', coitado, tão alegrezinho uns minutos atrás, e agora estava tão pequeno que mais parecia o irmão gémeo de meu umbigo.

Nesse momento a minha esposa bate à porta da casa de banho e perguntou-me se eu estava bem. Aquela voz antes tão aveludada e sedutora ficou igual a uma gralha. Saí da casa de banho e voltei para o quarto. Ela argumentava que os pentelhos tinham saído pelas raízes, que demorariam a voltar a crescer. Pela espessura da pele do meu tin-tin, aqui não vai nascer nem sequer uma penugem, disse-lhe.

Ela pediu-me para ver como estavam. Eu disse-lhe para olhar mas com meio metro de intervalo e sem tocar em nada, acrescentando que se lhe der para rir ainda vai levar PORRADA!!

Vesti a t-shirt e fui dormir, sem cuecas. Naquele momento sexo para mim nem para perpetuar a espécie humana.

No outro dia de manhã, arranjei-me para ir trabalhar. Os 'ovos' estavam mais calmos, porém mais vermelhos que tomates maduros. Foi estranho sentir o vento bater em lugares nunca d'antes soprados.

Tentei vestir as boxers, mas nada feito. Procurei algumas mais macias e nada. Vesti as calças mais largas que tenho e fui trabalhar sem nada por baixo.

Entrei na minha secção com uma andar igual ao de um cowboy cagado. Disse bom dia a todos, mas sem os olhar nos olhos, e passei o dia inteiro trabalhando de pé, com receio de encostar os tomates maduros em qualquer superfície.